segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Nascido Para Cagar

NASCIDO PARA CAGAR


Sinopse

 Um sargento treina de forma fanática e sádica os recrutas em uma base de treinamentos, na intenção de transformá-los em máquinas de cagar para combater na Guerra do Vietnã. Após serem transformados em fuzileiros anais, eles são enviados para a guerra e quando lá chegam se deparam com seus horrores.


Review

 Já faz tempo desde meu último post, usei esse tempo para assistir muitos filmes para férias e agora vou recomendar alguns bons dos que vi ao passar do tempo.

 Aproveitando a onda da review anterior, venho novamente com mais um post de guerra. E dessa vez, trago um clássico do diretor mais cult que os olhos de um indie ja viu, Stanley Kubrick. Para quem não conhece, Kubrick é irmão do Zé do Caixão, diretor, ganhador de vários prêmios e jogador de xadrez. Nascido Para Cagar é apenas uma de suas obras primas. O filme é reconhecido pelo seu clima Anti-Guerra, mostrando ao invés de heróis, covardes.

Irmãos da cova.
 O filme começa com vários cadetes tendo suas cabeças raspadas, a expressão de cu que eles fazem é bem nítida. O interessante dessa cena de abertura é que se comparada a filmes menos cult, ela não é exatamente uma introdução a história do filme e nem uma cena que cria uma grande expectativa, ela é apenas uma lição de como se raspar a cabeça. Aproveitem a aula grátis!

Raspadinha ou peludinha?
 O filme mostra os recrutas recém chegados recebendo as boas vindas do sargento Hartman (R. Lee Ermey, um capira norte americano que serviu ao exercito e ganhou o papel de sargento após demonstrar com astúcia no teste para o filme, como é a maneira correta de pegar sabonete no banheiro masculino). Hartman logo de início, faz o que ele fará o filme todo: gritar.

"Corto sua cabeça e cago no seu pescoço"
 As belas palavras de Hartman marcam as cenas no quartel, ele recita belas poesias e faz o gordo do filme se enforcar na mão dele. A partir desse momento fica claro que o gorducho, recruta Pyle (Vincent D'Onofrio, que ganhou 31 kg para fazer o papel e, desde então, nunca mais emagreceu), vai ser o bode expiatório do filme.

 Portanto tudo que acontece durante o começo é somente para servir de bullying com o gordo. E o serviço é tão bem feito que ele resolve se matar, após levar uma surra de pica dos colegas enquanto dormia. Enquanto o gordo não se mata, rola uma discreta relação homo afetiva entre ele e o recruta Joker (Matthew Modine, além de ator, também um a toa que faz ativismo em defesa do uso de bicicletas como meio de transporte). Na cena do suicídio, Pyle faz um boquetinho no rifle, depois mete uma bala na cabeça.


Romance secreto.
Última cagada antes de se matar.
 Após todo o treinamento no quartel, os recrutas estão prontos para se tornarem fuzileiros anais e serem enviados para o Vietnã para fuzilar alguns cus.

Treinamento para enrijecer o pênis.
 No Vietnã acompanhamos a história do ex-recruta e agora soldado Joker. Depois de ficar anos fazendo piadinhas no jornal do exército, Joker é enviado ao locais de combate para fazer matérias.

Primeira namorada.
 Durante a cobertura dos locais de combate, Joker e seu acompanhante encontram as atrocidades da guerra. Em uma delas, uma cena chocante, 20 vietnamitas mortos numa vala cobertos com chocolate branco.
Então temos mais combates, mais diálogos afiados, como masturbação, tamanho do pênis, sexo oral, prostituição... Típicos assuntos de guerra.

Passando trote no capitão.
 O desfecho do filme acontece numa cena reflexiva, onde jogam um negro de isca e descobrem um atirador num dos prédios, o resto é meio previsível, todo aquele clima anti-guerra e tal.

"Joguem o preto no fogo"
 Pra finalizar, os créditos do filme toca música do Guitar Hero, jogo já muito popular nessa época.

 Como um digno filme de Kubrick, Nascido Para Cagar, passa uma mensagem: nunca sirva ao exército. O filme também recebeu premiações e indicações:

  • Oscar: indicado na categoria de melhor roteiro adaptado;
  • BAFTA (Batata Frita): indicado nas categorias de melhor som e melhor efeitos especiais;
  • Prêmio David De Donatello (sim, aquele mesmo das Tartarugas Ninjas): venceu na categoria de melhor produção estrangeira;
  • Globo de Ovo: indicado na categoria de melhor ator coadjuvante de cinema (R. Lee Ermey, nosso poeta do filme);
  • Academia Japonesa de Pinto Pequeno: indicado na categoria de melhor filme estrangeiro.

domingo, 27 de abril de 2014

O Biscate Do Soldado Ryan

O Biscate Do Soldado Ryan


Sinopse

 Durante a Segunda Guerra Mundial, o alto comando do exército descobre que quatro irmãos Ryan estavam nas biscatarias armadas e que três deles foram mortos. O Capitão John Miller (Tom Hanks) é designado para salvar o último biscate da família Ryan que ainda está vivo e retirá-lo do conflito.

Review

 Finalmente chegou a hora de postar sobre um filme de guerra, e nada como estrear em grande estilo com um filme do diretor/produtor mais chupado de Hollywood, Steven Spielberg. Reza a lenda que, quando ele caga, cem pessoas limpam o cu dele com a língua, tamanha sua influencia no mercado cinematográfico. E não da pra negar que esse puto sabe fazer bons filmes, tanto é que tive a obrigação de colocar O Biscate Do Soldado Ryan na lista de filmes para assistir nas férias.

 Na cena inicial, vemos um velho andando como se estivesse todo cagado, a procura de um tumulo entre vários no cemitério de soldados mortos na Segunda Guerra Mundial. Ele encontra aquele que procurava e se agacha para cagar sobre ele, ai começa o flashback que contará todo o filme.

 Logo temos a cena do desembarque no Dia D, Normandia. John Miller (Tom Hanks, famoso por interpretar personagens idiotas) toma um gole de cachaça antes de sair da embarcação, e 90% dos soldados morrem nessa cena.


Rostos alegres na hora do desembarque.
Sopa humana.
 Depois dessa difícil batalha, o exercito americano consegue dominar a praia e John Miller se revela alcoólatra, dando outra golada na cachaça. Em seguida, é revelado objetivo que fará o pelotão de Miller se deslocar atrás de Ryan: seus irmãos foram mortos em batalhas. Sendo o único Ryan sobrevivente, o exercito resolve manda-lo para casa.

 O chato dessa parte é a dramatização de todos os elementos. Exemplo, se uma pedra caísse em uma cena desse momento, iria mostrá-la rolando em câmera lenta e depois uma mulher chorando por isso. Mas se tratando em filmes de guerra até entendo o porque de tanto drama. Afinal, guerra é pura desgraça.

 Depois de reunir alguns bêbados do pelotão e um tradutor virgem, Miller parte em busca de Ryan. Aí temos interessantes passagens e diálogos com um pouco de humor. Um combate em meio a chuva com direito a criança chorando, tiro no olho e a primeira ofensa ao soldado Ryan "Biscate Ryan".

Banho grupal a céu aberto.
 Mais algumas mortes depois e eles encontram Ryan, mas era apenas outro biscate qualquer com esse mesmo nome, que ao saber que foi apenas confundido, se caga e rola de felicidade. Eles continuam viagem e o capitão Miller sente tremores na mão pela falta de mé. Fuma um baseado com um de seus soldados e ficam rindo a toa.

 Após dormirem juntinhos feito sanduíche, eles partem em busca do biscate e se deparam com uma tropa cheia de bêbados, prisioneiros nazistas e um avião caído. Um oficial da uma bolsa cheia de drogas e placas de identificação para Miller, porém ele e seus soldados não encontram Ryan entre elas. Miller surta e começa a gritar rodando a baiana entre os soldados "Ryannnn, biscate Ryannn" até que alguem finalmente diz conhecer um soldado com esse nome e eles partem pelo caminho indicado.

Soldado pedindo pizza.
 A procura pelo biscate não tem descanso, e eles acabam encontrando uma pequena batalha, onde morre mais um personagem desinteressante e eles obrigam um prisioneiro nazista a cavar uma foça. A ideia era sufocar o prisioneiro enterrando ele na foça com a bosta dos soldado, porém o capitão o deixa escapar. Com isso um dos soldados surta e começa a ofender Ryan de biscate, devido as dificuldades da missão.

 Em seguida, eles finalmente acham o biscatão, porém ele se recusa voltar para casa e todos vão para mais uma batalha que acarretará o desfecho do filme.

Papo de trincheira.
 Sem mais enrolação, o prisioneiro que tinha sido libertado volta a combater os soldados e o virgem faz dele sua primeira vitima da guerra, o capitão Miller morre cumprindo sua missão, e aí quando acaba o flashback descobrimos que o velho é o soldado Ryan cagando em cima do tumulo de Miller.

Segue uma lista de fato inúteis sobre o filme:
  • Pessoas com membros amputados foram utilizadas para as cenas de feridos da guerra;
  • Como Steven Spielberg se recusou cortar cenas violentas, o filme foi banido na Malásia (o que não mudou em nada o numero de espectadores);
  • Este é o 1º de 3 filmes em que o diretor Steven Spielberg e o ator Tom Hanks trabalham juntos. Os demais foram Foda-me Se For Capaz (2002) e O Terra-anal (2004);
  • Ganhou varios prêmios no BAFTA (abreviação de batata frita), no Oscar e no Globo de Ovo.

domingo, 23 de março de 2014

O Pinto de Eli

O Pinto De Eli



Sinopse

 O filme se passa num futuro pós-apocalíptico e mostra a história de um homem solitário (Denzel Washington), e as dificuldades que ele tem para proteger um pinto misterioso que muitos acham ser a única salvação para a humanidade.

Review

 Não podia deixar de colocar O Pinto De Eli aqui, o motivo: ele é muito polêmico. Provavelmente a maioria dos religiosos acharam que é um filme que fala bem do pinto hehe... Ingênuos. Mas confesso que, inicialmente, até eu me confundi com a mensagem que o filme passa, isso porque o filme se divide entre mostrar o poder do pinto sobre as pessoas e as cenas em que Eli mata todo mundo.

 O filme conta com um dos atores mais bem dotados de Hollywood e também um dos mais chupados pela crítica, Denzel Washington. De certa forma, tudo que ele fez nos últimos anos virou ouro. Mas Denzel tem um segredo obscuro, ele é irmão do Cumpadi Washington.

Quase gêmeos.
 Voltando ao filme, ele conseguiu a atenção de religiosos (padres pedófilos, pastores tarados... toda essa laia de abusadores e afins), porque introduz a ideia de que a religião é a unica salvação, só que ela é acompanhada de matança, intolerância e injustiça, algo que os religiosos, cegos pela punheta, nem notaram. Ou seja, eles alardam um filme que vai contra a doutrina de extorsão que eles tanto pregam.

 Gosto de destacar cenas iniciais em filmes, elas sempre causam uma impressão que fica o resto do filme. No caso do Pinto de Eli, a abertura é um gato pelado sendo morto a flechada. Tem como ser mais significativo do que isso? Em seguida, vemos Eli andando por terras devastadas procurando suprimentos, depois da uma lida no pinto que carrega com ele e no dia seguinte cruza com ladrões no meio da estrada, corta o pinto de um e mata o resto sem misericórdia.

Eli perdido na estrada.
 Descobrimos que Eli esta indo para oeste, no meio do caminho ele se depara com uma cidade onde todos são mendigos que usam óculos escuros. Ao ir em busca de água no bar da cidade, após um incidente, ele da uma surra num bando de bêbados e acaba tendo que se entender com o "prefeito" da cidade, que o obriga a ficar na cidade.

Eli pegando a trouxinha de maconha para fumar.
 O "prefeito", Carnegie (Gary Oldman, mais conhecido como Comissário Gordon nos filmes mais recentes do Batman) tenta até jogar uma putinha em cima de Eli, mas por Eli ainda ser virgem, fica nervoso e broxa. Então ele da um tempo e quando pensa estar seduzindo a garota pegando em sua mão, ela dorme enquanto ele fala sozinho.

Seduction fail! 
 No dia seguinte começam as merdas, Carnegie descobre através da putinha Solara, que Eli tem um pinto na mochila, o pinto que ele procurou a vida inteira e acredita que, ao lê-lo, pode dominar todas as pessoas. Ele tenta negociar o pinto com Eli, não conseguindo, passa a caçá-lo o resto do filme. Basicamente esse vai ser o resto do filme, temos cenas de ação bem construídas e nos seus intervalos algumas lições de espirituais.

 Vale destacar também que Solara segue Eli após sua fuga pela estrada, então ele obviamente tenta perder a virgindade com ela, mas a situação não ajuda muito. Também é contado a história de como pintos sagrados iguais ao de Eli causaram a guerra anos atrás e por isso todos os pintos foram queimados após a guerra que destruiu o mundo inteiro, ou seja, o tempo todo Eli carrega consigo um pinto que causou a destruição do mundo e mesmo sabendo disso continua a levá-lo para mantê-lo num lugar seguro. Eli é mais vilão do que qualquer estuprador do filme! Os crentes pira!

Solara arriando as calças para cagar.
 Eli acaba sendo capturado por Carnegie, leva uma bala no pau e perde a oportunidade de molhar o biscoito para sempre... Solara consegue matar alguns e volta para Eli, que não morreu esgotado mas perdeu o pinto sagrado. Juntos viajam pra oeste, onde encontram Papai Noel e Eli conta cada frase do pinto sagrado que carregava, enquanto Noel escreve, conseguindo assim cumprir seu dever para com a voz que falava dentro de sua cabeça (esquizofrenia). Carnegie descobre que o pinto que Eli carregava estava escrito em braile e se fode todo. Quando a história acaba de ser contada, Eli morre e o filme acaba.

 Como não achei nada interessante para falar sobre o filme, aqui vão algumas curiosidades sobre Denzel Washington:


  • Ele tem um dedo mindinho torto:

  • Ele e seu irmão tem um cumprimento secreto:

  • Samuel L. Jackson homenageou Cumpadi Washington em um filme do Tarantino:
Cumpadi L. Jackson



domingo, 16 de março de 2014

O Peidorreiro

O Peidorreiro


Sinopse

Depois que uma violenta tempestade de gases intestinais devasta a cidade de Maine, David Drayton e seu filho de 8 anos correm para o mercado pegar suprimentos. Porém, um estranho e fétido nevoeiro toma conta da cidade, deixando David e um grupo de pessoas presas no mercado. Eles logo descobrem que o nevoeiro esconde algo sobrenatural e que sair do mercado pode ser fatal. Mas conforme tentam desvendar o mistério, o caos se instala e fica evidente que as pessoas dentro do mercado podem tornar-se tão ameaçadoras quanto as criaturas do lado de fora.

Review

 Antes de mais nada, é importante saber que esse filme é uma adaptação de um conto de Stephen King Kong, escritor renomado do gênero de suspense/terror. Eu já vi outras adaptações das historias dele e essa é uma das pouquíssimas que ficaram consideravelmente boa. Entretanto a maioria das pessoas estão tão acostumado com filmes ruins como Velozes e Furiosos que ficam confusos e julgam mal um filme que EU coloquei na lista de filmes para férias.

 O filme homenageia outros filmes e outras histórias do autor logo na cena inicial, quem é ignorante vai ver apenas quadros, quem é nerd vai falar o nome de todos os quadros antes da próxima cena, quem é gordo provavelmente vai estar ocupado lambendo os dedos sujos de pipoca e não vai ver nada.

Tudo começa quando uma árvore cai e destrói a janela da casa de David (Thomas Jane, que atuou em dezenas de filmes chatos) após uma puta tempestade de gases. Aí sem muita enrolação David, seu filho e o vizinho vão para o mercado. Lá encontram quase a cidade inteira, filas enormes e mais pessoas continuam a chegar.

 De repente, um denso nevoeiro cobre tudo. O seu cheiro é tão maligno, que um velho adentra o mercado com o nariz sangrando devido ao cheiro de bosta trazido por ele. Logo todos ficam assustados e um tremor de terra acompanhado pelo som de gases expelidos por um enorme anus, coloca todos em estado de alerta. Assim começa o suspense do filme.


Cara de assustados dos caipiras do Maine.
 Esse cenário é onde se desenvolverá o filme, caipiras do estado do Maine assustados, um forasteiro chato e uma religiosa dizendo que o mundo vai acabar. As pessoas começam se organizar, não há eletricidade, sinal de celular e nem linhas telefônicas funcionando.


Os densos gases fétidos encobrindo a paisagem.
 Com o cenário criado, a primeira morte acontece. Um jovem virgem que se arrisca para fazer algo e um ser estranho surgido dos gases fedorentos o captura. É difícil descrever a cena, mas o que parece um tentáculo contendo em sua ponta um anus dentado, devora o virgem ainda vivo.

Sua última frase foi "Eu não quero morrer cabaçooo...." e morreu.
 Como nem todos viram a cena, alguns não acreditam aí vem o momento em que o pessoal se divide, alguns saem, outros ficam e outros aproveitam o cheiro de merda do nevoeiro para fazer scat. Nisso morre mais um, um homem que saí do mercado com uma corda na cintura e só volta a metade da cintura para baixo.

 Anoitece e as coisas vão piorando, as luzes das lanternas atraem criaturas aladas que parecem uma mistura de mosca com gafanhoto e ainda por cima com um pênis-ferrão enorme, praticamente caralhos de asas. Elas acabam entrando no mercado e fazendo algumas vitimas. Uma delas, uma moça ainda virgem que leva uma picada no pescoço e rapidamente ele fica inchado de porra e ela morre.

Caralhos voadores prontos para a orgia.
 Um grupo decide ir a farmácia pegar medicamentos, eles caminham pelo nevoeiro quase sufocando no cheiro de fezes e após pegarem alguns, eles se deparam com corpos enrolados e colados em uma espécie de sêmen, e daí surgem aranhas cabeludas que espirram sêmen ácido. Eles fogem do local após uma pequena batalha onde um infeliz tem a perna derretida pelo sêmen aracnídeo e outro leva uma gozada ácida bem na cara.


Vítima da porra ácida.
 O filme entra num momento de alienação religiosa, a fanática convence os cordeiros mais fracos que a culpa de todo o cheiro de merda e as criaturas fedorentas que saíram dele são dos pecados da humanidade e blá blá blá. A verdade vem quando um militar com cara de enrustido conta que cientistas militares abriram um portal para uma dimensão, na qual o mundo é um esgoto gigante, por isso o cheiro de merda. Essa operação é chamada de O Peidorreiro (devido ao "perfume" da outra dimensão). Mas ela, obviamente, fugiu do controle dos militares. Os recém convertidos esfaqueiam e jogam o militar pra ser devorado pelas feras do lado de fora. Vendo a situação ficar preta, David e um grupo decidem fugir dali.

 O Plano é entrar num carro e fugir, antes disso precisaram balear a fanática (RALELUIA!). No meio do nevoeiro, morrem alguns figurantes inúteis. Depois que entram no carro, David e outras quatro pessoas, incluindo seu filho, partem vagueando por quilômetros e quilômetros. A unica coisa que encontram são esses monstros saídos das fezes de outra dimensão.

Repare na cara de sofrimento do garoto sufocando com o cheiro de merda.

Barata de esgoto da outra dimensão.
 O final do filme que é diferente do final do conto original, e é o que causou maior estranheza entre as pessoas que não gostaram do filme, só porque David mata as quatro pessoas, inclusive seu filho, porém não lhe sobra uma bala para se matar, então ele acaba andando sozinho e se depara com sobreviventes do início do filme e com militares restabelecendo a normalidade do nosso mundo e matando as criaturas. Inegavelmente original!

 Algumas coisas relacionadas ao conto que é interessante saber:
  • A cena inicial em que explicava a origem do nevoeiro nunca foi filmada, nela saberíamos que a tempestade da noite anterior aos eventos havia causado o mal funcionamento no projeto O Peidorreiro abrindo (o cu) um portal para a outra dimensão;
  • Ispirou um jogo em 1985;
  • Inspirou parcialmente a história do jogo Half Life;
  • Inspirou os criadores do jogo Silent Hill na composição de diversos elementos no primeiro jogo da série;
  • Stephen King Kong se inspirou parcialmente numa experiencia que viveu após uma tempestade e em criaturas lovecrafitanas.

sábado, 8 de março de 2014

O Grande Cagão Branco

O Grande Cagão Branco


Sinopse

 Frank Dux (Van Damme) é um militar norte-americano que consegue uma vaga no kumite, um torneio secreto e ilegal que reúne os melhores lutadores de chuca marciais do mundo. Não há regras e os lutadores realmente chegam ao limite, que é rasgar o cu do adversário. Mas não são apenas os lutadores que têm interesse no torneio. Uma determinada repórter (Leah Ayres) fará de tudo para se infiltrar nos bastidores da competição, assim como a polícia, que pretende enfiar o cassetete em todo mundo.

Review

 Esse é um filme recomendado para quem tem bolas bem grandes, tipo eu. O Grande Cagão Branco trata sobre honra, luta e amizade. Engraçado que o titulo original em inglês que pode ser lido em vermelho na primeira imagem, significa "Chuca de  Sangue" numa tradução livre feita por mim. E é comum aqui no Brazil mudarem totalmente o titulo do filme, porque quem trabalha fazendo isso é alguém muito infeliz e passa suas frustrações pessoais para o trabalho. Esse filme além de marcar o final da década de 80, também consagrou João Claudio Van Damme no cinema.
Homem urso.

 Logo de começo temos a cena hilária dos lutadores se preparando para o torneio kumite (que significa, "rasga cu", numa tradução livre feita por mim), é nego quebrando madeira, gelo, coco, fezes endurecida, pedra, parede, cara do amigo... Nesse momento entra em ação o personagem que não vai servir pra nada no filme, Jackson, também conhecido como o homem urso, apesar de parecer um, há outros animais mais estranhos no filme, que é o caso de Bolo Yeung.

 Em seguida surge o nosso justiceiro americano, Frank (João Claudio Van Damme), um integrante do exercito de deus que esta afim de ir para a ilha de Hongo Kongo sem permissão do padre, então ele foge. Ele vai a casa de seu mentor, o Zé Bigode. E quando, chega temos o flashback de como eles se conheceram e de seu treinamento espiritual, físico e anal. Também há o momento dramático que mostra a morte do parceiro de treinamento e filho do Zé Bigode. Durante o treinamento, o Zé literalmente rasga o cu de João, o resultado é uma perfeita abertura anal como pode ser visto na figura abaixo:


João Claudio com o cu totalmente aberto.
 Depois desse árduo treino, ele ganha a oportunidade de dar uma pegadinha na espada do Zé bigode. Aí somos apresentados a mulher que obviamente ficará com o herói em alguma parte mais a frente, pois por ora, ele esta oucupado jogando fliperama com o homem urso. Uns 5 minutos após a câmera vaguear pelo esgoto, chegamos ao local do torneio, mas João Claudio precisa provar que é pupilo de Zé Bigode, então ele da um cuzada numa pilha de tijolos e quebra somente o ultimo. Aí Bolo Yeung solta uma frase desafiadora e surge o clima de rivalidade.


Careta desafiadora de Chong Li.
 Nosso herói marca um jantar com a jornalista e depois de aquecer bem o anus, ele parte para o kumite. Começam as lutas, chutes e cotoveladas em todas as direções. Mas o que realmente marca esse filme não são as lutas para rasgar o cu do adversário, e sim as caretas, são tantas e tão feias ao longo do filme que dificilmente algum outro filme baterá o recorde de O Grande Cagão Branco nesse quesito.

Soco na orelha.
 Depois de vermos Jackson urso esbofetear o cu de seu primeiro adversário, Chong Li (Bolo Yeung) sobe ao ringue e usa seus punhos para rasgar o cu inimigo e vencer a luta. Bolo Yeung em si já é uma figura de destaque no filme, para começar ele contracenou com o lendário Bruce Lee. Bolo foi capaz de fugir a nado da China para Hong Kong, foi campeão de levantamento de peso, campeão de fisiocuzismo (torneio de musculatura anal) e ainda desenvolveu o estilo lutar ser olhar em filmes de luta. Em outras palavras, as caretas dele são tão feias, mais tão feias que roubam o filme.

Vo rasgar teu cu!
 O torneio vai rolando e as historias paralelas se desenvolvem, a jornalista e sua matéria, e os policiais querendo acabar com o kumite, por serem apenas forma de deixar o filme maior, não vou citar muito essas cenas. Mas temos uma engraçada da fuga de Van Damme do hotel, é uma cena tão forçada que não tem como não rir. Isso era uma das coisas legais dos filmes dessa época. Fora isso a pancadaria continua no torneio.

Van Damme nocauteou seu oponente apenas com essa careta.
 O homem urso tem o cu rasgado por Chong Li e vai parar em um hospital, como Frank (Van Damme) é muito sentimental rola aquela cena emocionante em que ele chora pelo amigo urso, e ele começa a ser assombrado por Chong Li em seus pensamentos, hehe, é uma cena tão forçada que merece ser reprisada várias vezes. Não suficiente, vem a cena da tentativa de prisão que consegue ser pior que todas. E na sequencia o confronto final, que é logo após Chong Li explodir o anus de um oponente, o matando.
A luta final é um confronto de caretas, para se ter uma idéia olhe as imagens a seguir:

Careta vencedora.

Disputa de quem abre mais a boca.

Frank cego procurando o cu de Chong Li.

Rasgando cu de quatro.
 Além das caretas, temos a luta que vou descrever brevemente. Chong Li balança os peitinhos, ameaça Frank, assoa o nariz e joga o juiz na frente pra se defender, isso que é vilão! Só depois disso eles lutam  um pouco, até que Frank faz seu inimigo desmaiar com o cheiro de seu pé, porém Chong aproveita e pega um pouco de porra seca de sua cueca e joga na cara de Frank, deixando-o temporariamente cego. Mas isso não o impede, pois ele faz uma careta tão assustadora que vence a luta.

 Por mais incrível que pareça toda essa barbaridade é inspirada em fatos reais, Frank Dux existe mesmo, qualquer pesquisa no site do deus moderno - google - pode provar isso.